[Infográfico] Revolução da Inteligência Comercial

Se eu fosse pontuar algo importante para qualquer equipe, além de um processo bem montado e replicável, com certeza seria motivação. Quando começamos a implementar o processo de Outbound na realidade brasileira, a função que tinha maior escopo era o Prospector.

Ele era responsável por gerar todas as listas das campanhas de prospecção e realizar a primeira conexão. Sem o auxílio de ferramentas para gerar contatos e tempo para pré-qualificar melhor seus leads, tanto o volume de prospects quanto a conversão em MQLs ficavam comprometidas. Para suprir esse gap, criamos o processo de Inteligência Comercial.

Com apenas algumas mudanças, conseguimos mais que dobrar a conversão, além de gerar motivação extra para o Prospector trabalhar, eliminando parte do trabalho que ele não possuía tempo hábil para realizar e o deixando com foco único.

O que explica a melhora na conversão é o alinhamento que o Prospector passou a fazer com o responsável pela Inteligência em relação ao melhor discurso de vendas antes de entrar em contato com os prospects. Em tese, o lead repassado a ele passou a ser um smart lead. Outra vantagem era que, com uma pessoa dedicada apenas a geração de contatos, o fluxo de leads no pipeline passou a ser constante. Com isso, toda a cadeia de valor do comercial foi afetada, desde o SDR que passou a realizar mais demonstrações até o Executivo de Vendas que passou a ter mais deals na “mesa” para fechar.

Veja como essa pequena revolução alavancou os resultados do time e motivou o Prospector:

inteligência comercial

Quer descobrir as origens da Inteligência Comercial?

Se você quiser saber mais sobre como surgiu o processo de Inteligência Comercial, confira o nosso artigo completo sobre o tema e saiba o passo a passo que diferencia o processo de Outbound Brasileiro do realizado no Vale do Silício!